3 de junho de 2017


Eu chorei

Como um raio cai na terra, rápido e destrutivo a noticia veio, de inicio não sabia o que acontecia, então o som a luz me mostrou do que se tratava. Os primeiros momentos foi a mais pura perturbação mental, então o caos começou. Ali a vida começou a me ensinar. A coragem me acertou, meu inimigo nasceu, a tempestade começou na floresta, a incerteza brotou na terra da confiança então eu chorei.

Chorei naquela noite, chorei por excesso de dor, daquelas que remédio não trata, que a gente não descreve, não acha na internet, que te domina e te faz provar o pior da vida. E nas noites que eu e meu inimigo brigávamos. Chorar por medo, por pânico, luto. Eu morria e não podia evitar isso então eu chorei.


Humano acima de tudo, forte porem sensível. Chorei na tentativa de diminuir a dor. Eu chorei quando em fim botei pra fora o sentimento, quando me fiz floresta e esperei a primavera. Chorei quando tudo estava certo e você chegou bagunçando as coisas, a variável do sistema que eu não contei e que agora colocava tudo em evidencia. Você. 

Eu me verti quando unidos dissemos "amem" e então tudo não tinha mais volta. Na hora aquele ônibus deixou a cidade, que ainda pequena era maior que o apetite daquele jovem louco, aventureiro e que em cada esquina dizia para ele que a tempestade não vinha mais. Quando o atleta voou pelos ares e aterrorizou majestosamente em pé para o mundo inteiro ver.


Depois de viver um sonho lindo, num cochilo de fim de tarde, eu chorei. Chorei por que me ver no destino final da vida, aquela ilha, plena, o meu "TO" (para) da vida. A lágrima caiu quando a vida inesperadamente ficou boa, assim como num dia nublado o tempo se abre, sem motivo aparente, ou nenhum esclarecimento evidente, só ficou boa e eu fui lá e aproveitei. Quando a estrela que anda cruzou o céu e eu pedi para ser feliz, lembrando que viva uma despedida. 

Chorei quando o mundo explodiu e então eu vi o quanto aprendi com todas as noites de. Quando o vento frio bateu no rosto e eu me despedi dali e de todos, no momento que entre livros empoeirados e arquivos achei nossa foto e lembrei do que passamos. Na ocasião que eu só queria fugir, mas as ancoras da vida eram muitas, eu decidi por ficar, ainda que esse fosse o ultimo lugar que eu queria estar.


Ei, não há nada de errado em chorar. Isso não te faz fraco, não te rebaixa frente a ninguém, te faz humano, é indicio da criatura que somos. A alma fica mais leve quando choramos, ela verte de si própria. Chorar é sinal. Sinal de que a alma encheu, há algo além do que costumamos suportar, seja isso bom ou ruim, se saturou, daí a gente explode, se parte, o corpo não suporta e então a gente chora.

POSTS SUGERIDOS