Algo de errado

Por Cristyam Otaviano - janeiro 01, 2019

Algo está errado nas noites que são tristes.

Existe um medo que está solto por aí e não se sabe o que é, mas ele existe. Um silêncio estranho habitou os dias, hoje reina o silêncio dos homens. Não somos mais os mesmos, a felicidade anda desaparecida. O choro é desconhecido. Por sorte na tristeza somos mais fortes.

Seres sem voz. E isso parece perfeitamente normal. Há coisas estranhas acontecendo enquanto dormimos. O tempo nunca esteve tão veloz. A ajuda vem de longe e talvez nunca chegue a tempo, pois os deuses estão amando, em nome dos homens que não vivem um amor



As piores verdades são aquelas que guardamos, há cartas para diferentes versões de mim. Numa delas sou o socorro do desespero, noutra a vida que corre feliz pelas ruas da cidade. Permanecemos vivos, aleluia!

Existem vazios maiores que outros, num deles o medo é o eco de um silêncio. Chão e céu. Estamos indo na direção de um abismo sem fim, afogando em verdades que crescem dentro de nós, vivendo tristezas pelas manhãs. Algo está errado em verdades que não acontecem. 

A liberdade é uma ilusão. Choveu, mas não me pude deixar levar. Algum dia voltarei a ver o mar. O tempo é pai de todas as coisas, amanhã nascerá alguém dentro de nós. Fantasmas vivem no guarda-roupas, eles contarão histórias de um amanhã que talvez virá. Há algo de errado com as coisas que não são ditas.

Se veja! Mas olhos não veem. Há infernos em vida, céus onde homens são deuses e num desses um amor é o diabo. O que faremos? Suplicamos perdão por um dia, em nossas vidas, ter feito paz e vivido amor. Feliz são os homens que não amam. Há tipos de solidão que serão eternas, enquanto desconhecer a verdade não será você. Serás um fato que esqueceu de acontecer. 

O silêncio é o maior grito que posso soltar. Os tempo estão errados, o dia começa às três da manhã. Em um sonho eu pude viver a morte porque eu estava feliz. Estamos vivos no silêncio dos homens. Pois algo está errado quando palavras não são ditas.

  • Compartilhe:

Leia Também

0 comentários